Como reduzir desconfortos físicos durante longas viagens


Quem nunca ouviu ou até mesmo já pronunciou o termo: “Essa viagem acabou comigo”? Pois é, as viagens são extremamente prazerosas, esteja você viajando de avião, ônibus, carro ou até mesmo trem, e por isso temos que curti-las ao máximo, porém algumas pessoas são mais suscetíveis à fenômenos fisiológicos de desconforto e é necessário que se tome alguns cuidados relativamente simples para minimiza-los, principalmente em viagens com mais de três horas de duração.

Vamos nesse post dar algumas dicas de como enfrentar longas viagens sem que esse momento se transforme em um inconveniente que pode literalmente acabar com o seu momento de descanso. Praticamente todas elas se aplicam em viagens por qualquer meio de transporte. Então, sem mais delongas, vamos lá:

* Alimentação
Os cuidados devem começar antes mesmo do inicio da viagem. A partir do dia anterior, evite bebidas gasosas, comidas ricas em fibras e que fermentem (como feijão, repolho e pepino), pois isso vai piorar a sensação de inchaço na barriga, comum entre os passageiros.

Deve-se evitar também, bebidas alcoólicas, pois o álcool diminui a capacidade das células cerebrais em utilizar o oxigênio, principalmente em viagens de avião. As mesmas recomendações alimentares valem durante o voo. Evite os alimentos acima e prefira comer massas e beber água e sucos de frutas. Para manter a hidratação, recomenda-se beber um copo de água ou suco a cada duas horas de viagem.

* Enjoos
Quem costuma sentir enjoos durante a viagem deve tentar se sentar em uma poltrona na janela,
Também vale evitar a ingestão excessiva de líquidos, comida gordurosa, condimentos e refrigerantes, pelo menos 12 horas antes e durante a viagem. Para esses casos, também é recomendável procurar um médico para que ele receite algum medicamento que combata os efeitos do enjoo.

* Inchaço nas pernas
É um dos sintomas mais comuns durante as viagens, e surge devido ao grande tempo sentado. É possível evitar o problema mesmo sem sair da poltrona. Para isso, movimente a batata da perna e faça exercícios de rotação com os pés, com o objetivo de ativar a circulação de sangue. Em viagens de ônibus ou avião, tente também caminhar pelo corredor por alguns instantes.

Quem costuma sentir mais desconforto pode também usar meias elásticas ou até mesmo massageadores elétricos portáteis para os joelhos e pés em viagens acima de quatro horas, o que atenua bastante o problema.

* Alergia
Pessoas com rinite ou outro tipo de alergia, que forem viajar de avião ou em ônibus com ar refrigerado devem levar soro ou hidratante para o nariz, além de medicamentos específicos, caso estejam usando. Antes das decolagens e pousos, vale usar descongestionante nasal.

Quem estiver em fase de crise deve conversar com o médico para obter orientações antes de viajar.

* Olhos e pele
Leve na bagagem de mão um creme hidratante e passe nas mãos, no rosto e em outros áreas do corpo para evitar que fiquem ressecadas.

Se você usa lentes de contato, é recomendável viajar sem elas, para evitar um ressecamento ainda maior do que ocorre normalmente com os olhos. Caso não seja possível tira-las, leve consigo uma solução para umedecê-las.

* Incômodo no ouvido
Essa é exclusiva para viagens aéreas. Na hora da decolagem e do pouso, ocorre uma variação da pressão de ar entre o interior e o exterior da aeronave, e isso acaba gerando em algumas pessoas um incômodo na região do ouvido interno, e é por isso que se sente uma sensação de semi-surdez. Mascar chicletes ou apertar o nariz e depois soprar são alguns truques que podem reduzir essa sensação.

No caso de bebês ou crianças muito pequenas, dar mamadeira ou chupeta também ajuda a reduzir essa pressão.

* Remédios
Não se esqueça de levar na bagagem de mão medicamentos controlados e de uso contínuo. Leve também analgésicos, antiácidos e outros medicamentos que julgar importantes.

Tomar remédios para dormir não é recomendado e pode ser até mesmo perigoso. Se houver qualquer emergência durante a viagem e for necessário desembarcar rapidamente, isso pode atrapalhar muito.

* Doenças pré – existentes
Pessoas com doença cardíaca ou pulmonar crônica, mesmo que estiverem com o problema controlado, devem consultar o médico antes de viajar, para ver se é necessário fazer algum ajuste no tratamento.

* Jet lag
Também conhecida como “doença de fuso horário”, o jet lag é um fenômeno muito comum em viagens internacionais de longa duração. A diferença de fuso entre um país e outro deixa o relógio biológico totalmente desregulado, causando cansaço demasiado, dificuldade para dormir, irritabilidade e incompatibilidade entre a fome e os horários das refeições. Segundo especialistas, para cada hora de fuso horário a mais ou a menos, é necessário um dia inteiro para se adaptar.

Se sua viagem for durar poucos dias, o ideal é começar essa adaptação quatro ou cinco dias antes de embarcar. A recomendação dos médicos é tentar se aproximar o máximo possível do horário do destino. Se a diferença for de duas horas a mais ou a menos, por exemplo, tente dormir e comer duas horas mais tarde ou mais cedo do que está habituado. Se não for possível seguir exatamente o fuso, aproxime-se ao máximo dele.

* Intervalos

Em viagens de ônibus e carro, é possível fazer intervalos. Aproveite-os para fazer refeições, ir ao banheiro e até mesmo exercitar-se. Caso esteja viajando de carro, o recomendado é fazer uma pausa de 15 a 30 minutos a cada duas horas de viagem e aproveite também para checar itens do veículo, como água do radiador, óleo do motor e a pressão dos pneus.

Medidas simples como essas podem tornar suas viagens agradáveis e muito prazerosas, como ela de fato deve ser.


sm-wendell